Como criar seu primeiro currículo

Encontrar vagas sem experiência e sem um bom primeiro currículo, que destaque seus pontos fortes e diferencie você dos outros candidatos, pode tornar seu objetivo muito mais difícil.
Pensando nos nossos Edujovens — ainda estamos avaliando esse apelido —, preparamos um conteúdo fácil, com padrões e exemplos para que você:

 

Aprenda a montar o primeiro currículo perfeito, com dicas e modelos.

 

O primeiro ponto que quero tratar, é que tudo bem se você ainda não souber com o que quer trabalhar.  Tudo bem se você procurar vagas em vários setores, mas se esse for o seu caso, lembre-se que cada oportunidade deve ser tratada como única e vai requerer de você (muito provavelmente), habilidades diferentes. Então se você está em busca de vagas diversas, lembre-se de criar um currículo focado para cada uma, destacando os pontos positivos que cada posição valoriza mais sobre você.

 

Por exemplo: Você quer trabalhar com atendimento, viu uma vaga para recepção e criou um currículo perfeito, citando que se comunica bem, sabe resolver problemas e é cordial. Ótimo, provavelmente você tem as Soft Skills — falaremos sobre elas abaixo— que a empresa necessita, mas por que esse currículo seria interessante para uma vaga de repositor de estoque? Cordialidade seria um fator decisivo? Claro que não! Nesse caso, você destacaria que é muito organizado, entendeu?

 

Dados Pessoais

Qual é a primeira coisa que você pergunta ao conhecer alguém? O nome, quantos anos tem, onde mora e etc. Certo?

Pense que o currículo é exatamente isso, uma apresentação e quem está lendo quer conhecer quem é você, antes de saber suas qualificações. Então, sempre comece com seus dados pessoais. 

 

Exemplo: 

  • Nome completo;
  • Estado civil;
  • Idade;
  • Endereço;
  • Contato (como telefone residencial, celular e e-mail);
  • Endereços de redes sociais.


Dica para não vacilar:
Tente usar contatos mais sérios, evite aquele primeiro e-mail que fez quando tinha 11 anos: [email protected] ou [email protected]
.


Disponibilize um e-mail mais sério, como, por exemplo: “[email protected]

 

Objetivo Profissional

O nome do campo pode assustar, afinal, talvez nem esteja tão claro pra você qual seu objetivo, mas neste momento reflita sobre duas coisas:

O que a empresa para quem enviou o currículo ou o cargo espera sobre você.

O que gostaria de fazer e desenvolver neste trabalho.

 

Com essas duas respostas, monte uma descrição objetiva para mostrar ao recrutador que mesmo sendo jovem, você é focado e sabe o que quer.

Por exemplo, vamos supor que você goste muito de lidar com números e contas, e que a empresa esteja procurando um jovem aprendiz para a área contábil, sua descrição de objetivo profissional poderia ser: Com a facilidade que tenho para resolver contas complexas e lidar com valores, desejo aprender e contribuir com a área contábil da companhia.

Importante: Fuja das respostas vagas, como: “Desejo evoluir profissionalmente e ajudar no crescimento da empresa”

 

Agora que já contou quem é e o que gostaria de fazer, demonstre por que a vaga de jovem aprendiz ou vaga de estágio, deve ser sua. Pode parecer confuso fazer isso sem experiências profissionais, mas com as próximas dicas, vai ser fácil fazer um ótimo primeiro currículo.

 

Destaque para trajetória acadêmica

Anos e anos de estudo, enfim serão valorizados, meu caro! Esse é o momento para que você descreva onde estudou, o que estudou e por quanto tempo.

Faça isso do mais recente, para o mais antigo e não esqueça de incluir as datas de conclusão de cada.

 

Cursos e Palestras

Não menos importantes que as formações tradicionais, como ensino técnico, médio ou fundamental, seus cursos (mesmo que de curta duração) e palestras, merecem destaque. Eles são os responsáveis por demonstrar que é um jovem empenhado, sempre em busca de conhecimento e aprimoramento profissional. 

Destaque também do mais recente para o mais antigo, criando uma — breve — descrição, ressaltando os pontos fortes que aquele curso pode ter agregado em seu desempenho. 

 

Softs Skills

Esse é um termo “novo”, mas que nos casos de pouca — ou nenhuma — experiência, pode fazer toda a diferença para você!

Lembra do início do texto? Onde citamos que você deveria reforçar suas qualidades de forma correta? Pois bem! vamos te ensinar o que são e como identificar o ponto forte certo para cada ocasião!

Se não souber qual a diferença entre soft e hard skills, leia neste link para não ficar perdido. 

Supondo que você esteja buscando uma vaga de estágio em design, quais são as softs skills que essa vaga requer? Reflita quais devem ser as características pessoais de um design, esquecendo as ferramentas e habilidades técnicas. O profissional deve ser criativo, pró-ativo, escrever bem, se for atender algum cliente, deve saber se comunicar e ouvir, entre várias outras características importantes, mas que não necessariamente devem ter ligação com ferramentas. 

 

Hard Skills

Você deve imaginar que esse campo é o contrário do anterior. O seu foco vai estar 100% em habilidades técnicas. Usando o mesmo exemplo que o anterior, você poderia destacar que tem nível intermediário no Photoshop, Básico no Illustrator, inglês fluente, nível avançado no PowerPoint, entre várias outras coisas. 

O mais importante é ser honesto, não diga que tem uma habilidade que não possui, pois, se ela for testada, a oportunidade certamente não será sua.

 

Trabalho Voluntário

Se foi voluntário em ação social ou participou de algum projeto, mesmo que por curto período, não deixe de comentar, pois, isso pode te ajudar a se destacar, mostrando que é um jovem engajado e preocupado com o mundo.

 

Intercâmbio

Por último, ter vivência no exterior é um diferencial. Claro que — infelizmente — poucos jovens têm oportunidades assim, mas se tiver, não deixe de citar, explicar o que estudou, onde e qual a duração. 

 

Formatação do currículo

Agora que você já fez um bom resumo sobre quem é, o que tem facilidade em aprender, o que já fez, o que gostaria de desempenhar e por que tem as qualidades para isso. Lembre-se que o currículo “pede” certos padrões.

 

Atenção: Se você for criativo, souber usar ferramentas de design e estiver buscando algo em uma área relacionada, nada impede criar um documento mais descolado.

 

Mas pense sobre entregar esse mesmo currículo, para uma vaga de estágio, em engenharia civil de uma construtora séria… Não combina, né? Continue lembrando sobre a primeira dica, se adapte ao perfil da empresa para definir o modelo de currículo.

 

Dicas padrões para formatação de um currículo básico:

 

  • Revise a ortografia;
  • Tente não ultrapassar mais de duas folhas A4;
  • Não use fontes cursivas, melhor optar por Arial ou Times New Roman.
  • Não assine e nem date o currículo;
  • Não anexe documentos e fotos, se isso não for pedido. 
  • Evite muitas cores. 

 

NÃO ESQUEÇA DE REVISAR!

Perdoem o Caps Lock, apenas queria chamar a sua atenção para algo muito importante. Revise, revise, revise e revise. Já imaginou fazer tudo isso, deixar o currículo irresistível para a vaga, mas ter um “Pobrema” no meio no texto? Terrível. 

Dê muita atenção a essa etapa e caso não estiver seguro de sua correção, peça para algum amigo revisar, seus pais, ou para o google, mas por favor, não perca uma boa oportunidade por um erro bobo de português.

Com seu primeiro currículo em mãos, lembre-se de ser você mesmo, honesto com as informações que apresenta e não se cobrar muito. Tudo bem não ter muitas qualificações, cursos, palestras e etc… Principalmente se for o primeiro, ou um dos primeiros empregos. Tente se manter atualizado, estudar e se dedicar da melhor forma que puder, que o restante vai acontecer no tempo certo.

 

Para facilitar, aqui está um modelo de currículo básico.

Tem todos os campos citados nesse post, você só precisa salvar e preencher com suas informações pessoais.

 

Read More

Dicas para evitar o nervosismo na primeira entrevista de emprego

A primeira entrevista de emprego não precisa ser assustadora, então separamos algumas dicas de como você pode se preparar.

Read More

O que dizer em uma entrevista de emprego?

Nós passamos por vários desafios durante a nossa vida e a primeira entrevista de emprego certamente é um deles. É normal se sentir nervoso, com frio na barriga e com dúvidas sobre o que dizer nesse momento, mas não se preocupe: estamos aqui para ajudá-lo! Vamos lhe indicar o que dizer em uma entrevista de emprego e o que os recrutadores estão tentando descobrir sobre você.

Está preparado? Então, venha conosco e saiba as principais perguntas dos recrutadores.

 

Afinal, o que dizer em uma entrevista de emprego?

 

A entrevista é uma mistura de apresentação pessoal com a análise de soft e hard skills (falaremos sobre elas a seguir). Antes, vamos às principais perguntas e como você deve conduzir as respostas.

Fale um pouco sobre você:

Muitos não sabem o que responder em uma entrevista de emprego quando essa pergunta é feita. Esse momento parece uma introdução, mas não é só isso. O recrutador já está analisando a forma como você se comunica e que tipo de informação você considera relevante quando fala de si mesmo. Para essa resposta, você deve destacar realizações importantes na sua vida. Se você não tem experiência profissional prévia, destaque algo da sua vida escolar que demonstre preparação para você assumir a vaga.

Quais são seus pontos fortes?

Primeira dica, nunca minta. Antes da entrevista, coloque em um papel quais são os seus verdadeiros pontos fortes. Cite pelo menos dois pontos e explique a utilização deles na sua vida pessoal ou profissional por meio de exemplos.

Quais são seus pontos fracos?

Aqui o recrutador quer analisar a sua capacidade de autoconhecimento. Todos temos pontos fracos, nenhum ser humano é perfeito. Assumir pontos fracos não é motivo para você não ser contratado. Entretanto, o segredo é você destacar o ponto fraco e já mostrar o que está fazendo para melhorar. Vamos a um exemplo: não sou bom em falar em público ainda. Porém, já me inscrevi em um curso de dicção e oratória e pretendo dominar a técnica em breve.

Fale sobre um desafio ou conflito e como você lidou com isso.

Para essa resposta, não é necessário abordar uma situação profissional. Pode ser qualquer desafio ou conflito em sua vida. O ideal é você apresentar a situação em que estava, qual era a tarefa que deveria cumprir, qual foi a ação que você realizou em relação a isso e o resultado alcançado.

 

Soft e hard skills

 

Há dois tipos de habilidades que os recrutadores querem analisar durante a entrevista: as soft e as hard skills. Vamos lhe explicar o que é cada uma.

Soft skills: são habilidades comportamentais. São competências consideradas subjetivas. Você pode ou não demonstrá-las na entrevista ou durante o dia a dia de trabalho. Algumas soft skills que vamos destacar são: atitude, comunicação, capacidade de resolver conflitos, criatividade, pensamento crítico ou analítico, paciência, liderança, etc.

Hard skills: são habilidades técnicas. Elas são tangíveis e você as aprende durante um curso, uma graduação, com livros ou estudos. Essas habilidades são mais facilmente comparáveis entre um candidato e outro.

 

Dicas valiosas

 

Lembre-se sempre de ser você mesmo durante a entrevista. Estude bem as respostas às principais perguntas e treine até se sentir preparado para esse momento. Estude sobre a empresa em que você fará a entrevista, busque saber a respeito de sua história, missão e valores, quais são os produtos e serviços que ela oferece, qual é o ramo de atuação, etc. Mantenha a calma e mostre o seu melhor como pessoa e como profissional.

Agora que você já sabe o que dizer em uma entrevista de emprego, desejamos boa sorte nesse próximo desafio em sua vida!

Read More

Descubra como motivar os talentos mais jovens da sua empresa

O avanço acelerado das tecnologias teve um forte impacto sobre as novas gerações. Criados em meio a diversos dispositivos e linguagens, os profissionais mais jovens desenvolveram uma alta capacidade de realização de tarefas variadas e de utilização de recursos e ferramentas informatizadas de trabalho.

Estes novos talentos do mercado são conhecidos como Geração Y, e compreendem profissionais nas faixas dos 20 aos 30 anos. No entanto, apesar da velocidade de raciocínio, alta capacidade de aprendizagem e versatilidade destes trabalhadores, no escopo da clássica busca por como motivar funcionários, este grupo pode representar um grande desafio.

E a falta de motivação destes colaboradores pode ter um forte impacto na produtividade dentro do ambiente de trabalho, o que, por fim, implica em prejuízos aos negócios. Por isso, o segredo é mantê-los motivados, para usufruir ao máximo de seu potencial e obter os melhores resultados com sua contratação.

Continue lendo este artigo para saber como motivar os talentos mais jovens da sua empresa!

 

Desafios em como motivar funcionários da nova geração

 

Justamente por terem um grande traquejo com tecnologias e serem habituados a desempenhar diversas tarefas simultaneamente, os jovens talentos requerem um alto nível de desafio. Caso contrário, podem perder-se em atividades que lhes pareçam mais interessantes.

E um retrato disto é o uso do celular no trabalho. Muitas empresas chegam a proibir a presença dos dispositivos móveis nos escritórios ou instalam firewalls e programas para barrar o acesso aos principais sites e redes sociais.

Mas esta não é a chave para solucionar o problema. Diante da monotonia, seus novos talentos encontrarão outras atividades para se distrair. O ideal é reduzir o uso do celular no trabalho pela implementação de ações que motivem a produtividade.

 

Primeiro: dê voz aos seus jovens talentos

 

O primeiro passo de como motivar os funcionários mais jovens é lhes dar voz. Estar atento aos seus anseios e sugestões é uma ótima forma de fomentar sua produtividade. Além disso, por seu perfil mais ousado e dinâmico, conectado às constantes mudanças do mundo, muitas vezes a Geração Y tem valiosos insights para os projetos e operações da sua empresa.

 

Dê propósito

 

As tarefas repetitivas da rotina de trabalho facilmente desmotivam os profissionais mais jovens por parecerem mecânicas e sem sentido. Em pesquisa realizada por Wagner Rodrigues Souza, administrador e especialista em docência pelo SENAC, foi identificado que 79,7% dos profissionais nesta faixa etária consideram-se como idealistas e 69,5% engajam-se em questões sociais.

Por isso, agregar um senso de propósito às atividades desempenhadas pela empresa é um importante fator na motivação dos jovens talentos.

 

Crie desafios adequados

 

Uma resposta eficiente para quem se pergunta como motivar funcionários é sempre estabelecer desafios e recompensas de acordo com a cultura da organização e o cargo de cada profissional. E com os seus novos talentos não é diferente.

Preencher suas rotinas com tarefas estimulantes, que incentivem a pesquisa, o aprendizado e o desenvolvimento de novas habilidades e competências é fundamental. A Geração Y se caracteriza por ser mais corajosa e arrojada, por isso, investir nesta característica é indispensável para manter sua motivação.

Implementando estas dicas simples você vai conseguir manter seus novos talentos motivados, reduzir o uso do celular no trabalho e alavancar a produtividade na sua empresa. Comece agora mesmo!

Read More

Ferramentas para otimizar o RH da sua empresa

O setor de recursos humanos (RH) de uma empresa conta com uma série de responsabilidades e rotinas que garantem a vitalidade do negócio. Contudo, muitos setores do gênero podem encontrar dificuldades em determinadas situações. Para isso, deve-se conhecer ferramentas de RH que otimizem os processos da sua empresa.

Isso não apenas agrega valor a todo negócio, como também facilita e garante excelência às rotinas do setor. Pensando nisso, trazemos um artigo completo abordando algumas dicas de ferramentas de RH para que sua empresa não apenas possa otimizar todos os processos, como se destacar competitivamente.

 

Testes E-NPS com os funcionários

 

O Employee Net Promoter Score, ou E-NPS, é uma das principais ferramentas de RH do futuro. Esta metodologia, simples de aplicar nas empresas independente do setor que atuam, traz indicadores claros sobre como está a satisfação dos colaboradores.

Perguntas como ‘Qual sua avaliação do ambiente de trabalho, de 0 a 10?’ é um exemplo claro desse recurso. O objetivo aqui é identificar problemas e aumentar o ‘rating’ da empresa – isto é, fazer com que o negócio seja bem avaliado pelos próprios colaboradores.

 

Comunicação efetiva

 

Um dos maiores desafios do setor privado é a comunicação interna. Felizmente, há ferramentas que podem ser utilizadas pelo RH da sua empresa. Um exemplo é o Skype, que possibilita o contato direto, por mensagem de texto e vídeo, entre os recursos humanos, funcionários, gestores entre outros.

Contudo, se não houver disponibilidade técnica para o Skype, há outros recursos como o Slack – que possibilita unificar e centralizar todos os processos comunicacionais e rotinas em um só ponto. E, claro, outra ferramenta de RH que pode trazer a comunicação efetiva no negócio (sem nenhum custo) é o próprio aplicativo WhatsApp.

 

Gestão de tarefas

 

Outro ponto importante para o RH da sua empresa é uma ferramenta de gestão de tarefas. Além de direcionar as atividades de cada colaborador – evitando acúmulo de funções, algo proibido por lei – também permite melhor análise e produtividade de toda a equipe.

O RH do futuro pode utilizar (como já é corriqueiro), ferramentas como o Trello: esse é o recurso mais famoso para gerir as tarefas e o trabalho em equipe. O Quire e o Taskboard, para citar duas opções muito utilizadas, também oferecem recursos ímpares. Ao identificar sua necessidade, uma ferramenta do gênero pode contribuir no trabalho do RH.

 

Calculadora de cota para Jovem Aprendiz

 

Obrigatório por lei, a cota para o Jovem Aprendiz deve ser feita com cuidado na sua empresa. E, por que não utilizar de uma ferramenta para fazer esse cálculo? Ela possibilita entender as especificidades para a contratação de jovens profissionais.

Há planilhas e recursos que fazem isso de forma rápida, concisa e simples, dando mais autonomia ao RH da sua empresa. Assim, além de contribuir com a lei, torna os processos do setor mais rápidos e dinâmicos – o que aumenta a satisfação dos jovens aprendizes e de toda a equipe.

Se precisa utilizar uma calculadora de cota para jovem aprendiz, disponibilizamos uma nesse link para facilitar seu trabalho.

 

Outras ferramentas de RH

 

Há, ainda, outras ferramentas que o RH da sua empresa pode adotar para dar ainda mais assertividade às rotinas internas. Folhas de pagamento e relógios-ponto online, por exemplo, facilitam a chegada de informações até o setor.

Para contratação, a Edujob permite a combinação (‘match’), quando o candidato e a empresa combinam, o que traz agilidade e facilidade de encontrar novos talentos.

Read More

Aprenda como se destacar em uma entrevista de jovem aprendiz

Como funciona a iniciativa Jovem Aprendi?

 

O programa Jovem Aprendiz é uma importante iniciativa que tem como foco estudantes do Ensino Fundamental e Médio que estão em busca da primeira oportunidade de trabalho. Atualmente, são muitas as empresas privadas e organizações públicas que incluem esses jovens no seu quadro de estagiários. Se você deseja participar desse programa, é necessário ter entre 14 e 24 anos, estar cursando o Ensino Fundamental ou Médio e possuir uma boa frequência escolar. Mas antes, é preciso passar pela entrevista de Jovem Aprendiz.

Se encaixa no perfil exigido pelo programa Jovem Aprendiz? Pois saiba que, assim como você, muitos disputam essas vagas devido ao sonho pela independência financeira e também pelo conhecimento desde cedo com as rotinas administrativas. As empresas e organizações também adquirem benefícios com essa contratação, pois isso é um programa de grande importância para o desenvolvimento socioeconômico do país.

 

Para se destacar em uma entrevista de Jovem Aprendiz:

 

Em primeiro lugar, é importante saber como funciona uma entrevista de emprego/estágio e qual o roteiro utilizado nesse tipo de entrevista, ou seja, quais são as principais perguntas e questões abordadas. Busque entender como funciona um processo seletivo de emprego e elabore um roteiro próprio com possíveis respostas, sabendo desde cedo como se comportar diante de quem vai te entrevistar.

O segundo ponto importante que te ajudará a obter destaque pessoal é estudar o perfil da empresa onde vai disputar a vaga, e para isso são necessárias umas horinhas de estudo.

Pesquise informações sobre a empresa (sua história, missão, objetivos) e também sobre a vaga, conhecendo quais serão suas principais atribuições caso seja contratado. O seu conhecimento e entusiasmo em contribuir com a empresa serão levados em consideração.

Apesar de a vaga para Jovem Aprendiz possuir menores exigências curriculares, você deve possuir uma postura responsável e competências pessoais que são determinantes, como saber trabalhar em equipe e ter boa comunicação, fatores que influenciam diretamente no desempenho profissional.

Além disso, demonstre responsabilidade e maturidade o suficiente para lidar com problemas, pois eles estarão presentes na sua rotina de trabalho.

 

É importante lembrar que tudo na vida é equilíbrio, portanto, muito cuidado para não ser inconveniente por conta de determinadas atitudes, como interromper a fala do entrevistador ou fazer comentários desnecessários. Vale repetir aquela ideia de que a primeira impressão é a que fica e, por isso, você deve prestar atenção em todos os detalhes antes de ir a uma entrevista.

 

Apesar da pouca idade e da falta de experiência profissional, não se esqueça, antes de ir para a entrevista de Jovem Aprendiz, de que está em busca de uma primeira oportunidade de emprego e para isso terá de encarar uma rotina de trabalho diária. Os recrutadores estarão atentos a diversos fatores nos processos de seleção, como pontualidade, boa escrita, cuidados com a aparência pessoal e o seu grau de interesse pela vaga.

Agora que você já tem uma ideia de como é uma entrevista de emprego, lembre-se sempre de que as oportunidades nunca devem ser desperdiçadas e, se não der certo na primeira tentativa, surgirão muitas outras pela frente.

 

Esse programa é uma excelente forma de aprendizado profissional e pessoal, portanto, é necessário ficar atento às vagas disponíveis e inscrever-se, sempre que possível, nos programas que facilitam o contato entre você e a empresa.

Read More

Como criar uma vaga para atrair o candidato certo

O momento da contratação de um novo funcionário é extremamente delicado. Afinal, este processo pode ser custoso para a empresa, e ter que repeti-lo após algum tempo, é muito longe do ideal. A chance de um profissional ter sucesso em uma empresa é determinada muito antes de ele entrar, por isso, confira como criar uma vaga para atrair o candidato certo.

Como fazer uma entrevista de emprego?

A entrevista não começa no momento em que o candidato chega à empresa, mas sim, quando ele vê o anúncio da vaga. Primeiramente, ele irá fazer uma entrevista consigo mesmo, para determinar se esta vaga é a ideal para ele. Ninguém gosta de perder tempo, então, se a vaga não for certa, o candidato não irá enviar o currículo.

Um exemplo de descrição de vaga de emprego interessante, é “analista de marketing com foco em performance”. É uma forma bem clara de dizer qual é a expectativa do profissional, e se ele for designer ou redator, já irá saber, de cara, que não tem o perfil ideal para a vaga.

Habilidades técnicas e ajuste cultural

Além disso, qualquer descrição de vaga precisa abordar quatro pontos fundamentais: as soft skills, as habilidades técnicas, o fit cultural e a pretensão de futuro.

As habilidades técnicas são as mais diretas. Um exemplo de descrição de vaga de emprego, pode ser “desenvolvedor front-end sênior em PHP”. Isso deixa muito claro qual é a competência técnica que o candidato precisa ter.

Por outro lado, o fit cultural é o mais difícil de representar, especialmente em uma vaga curta, mas é igualmente, ou mais, importante. O alinhamento com a cultura da empresa é um dos fatores mais determinantes na rotatividade dos funcionários. Por isso, na descrição da empresa, pode haver um parágrafo explicando como é a cultura, como é o ambiente de trabalho.

Um exemplo de vaga de emprego pode trazer a descrição de um ambiente bem leve, descontraído e jovem. Assim, você está se focando em trazer uma parcela mais específica de candidatos.

As soft skills e as pretensões para o futuro

Outro ponto importante a abordar, é a soft skill, que é um contraponto das habilidades técnicas. Programar em PHP é bem direto, ou você sabe, ou não.

Evidentemente, as soft skills são mais difíceis de medir, pois abordam questões como a interação social. É difícil fazer isso no anúncio, mas um exemplo de descrição de vaga de emprego pode trazer pelo menos o básico do que é esperado.

Outro ponto importante, é que haja um acordo da pretensão para o futuro. O conceito de plano de carreira está cada vez menos sendo usado, mas ainda assim, é fundamental dar uma noção para o candidato de como é o futuro dele para a empresa. Certos candidatos gostam de trocar de emprego para explorar novas possibilidades enquanto outros preferem criar raízes para ter mais segurança.

Por isso, não existe um exemplo de descrição de vaga de emprego que seja perfeito. O que o recrutador deve reconhecer, é que é preciso trazer informações sobre como a empresa vê o futuro do funcionário.

O que você achou das dicas? Agora você sabe como fazer uma entrevista de emprego ideal, já atraindo candidatos que mais têm chance de serem o certo.

Read More

Como uma agencia de conteúdo pode tornar sua empresa mais atraente

Contar com uma agência de conteúdo, pode fazer com que a sua empresa se torne muito mais atraente e, assim, consiga chamar a atenção de potenciais clientes, aumentando as vendas e elevando a receita. No final das contas, a marca pode investir ainda mais na melhoria dos seus processos ou operações e, dessa maneira, tornar-se mais competitiva em seu nicho de atuação.

Ficou interessado (a) e gostaria de saber como uma agência de conteúdo pode tornar sua empresa mais atraente? Continue a leitura!

Conteúdos que agregam valor à marca

A partir de uma agência de conteúdos, é possível valer-se de assuntos de qualidade, que agregam valor à marca, à medida que se apresentam como formas de comunicação capazes de conectá-la com os seus públicos de interesse.

Nos dias atuais, o consumidor ou potencial cliente, vale dizer, antes de comprar um produto ou serviço, pesquisa sobre ele, buscando com isso, conquistar segurança na compra e dados mais consistentes, que o leve a tomar uma decisão mais segura.

Portanto, ao contar com uma agência de conteúdo, a marca agrega valor ao seu negócio.

Conteúdos educativos

Os conteúdos, além de acrescentarem valor à marca, educam os clientes ou potenciais clientes, à medida que se colocam como fontes de informações instrutivas ou orientativas.

Como apontado anteriormente, o consumidor moderno, antes de comprar um produto ou serviço, busca o máximo de informação, não só para garantir uma compra segura, mas também para aprender mais sobre o produto ou serviço, como suas especificações técnicas, vantagens, diferenciais de mercado, prós e contras etc.

Assim, a agência de conteúdo também se apresenta como uma forma de garantir que a sua marca se torne mais educativa, no sentido de colocar à disposição dos seus clientes ou potenciais clientes, artigos de qualidade, bem escritos e relevantes para os negócios.

Conteúdos estrategicamente pensados para converter visitantes em leads

Por baixo da ideia de acrescentar valor à marca e de educar o potencial cliente, em relação a obter mais informações sobre o produto ou serviço que pensa em adquirir, o conteúdo fornecido pela agência de conteúdo é estrategicamente pensado para converter visitantes em leads e esses em oportunidades de negócios.

Mas como isso acontece? Então, o processo de captação de novos clientes no âmbito digital segue o que os especialistas do marketing digital chamam de funil de vendas, que é um instrumento que reflete a jornada de compra de um cliente. Esse, antes de comprar o produto ou serviço que deseja, passa por algumas etapas até finalmente concluir a compra. É no início do funil de vendas, que a marca fornece conteúdos de qualidade ao visitante, para que assim, ele se sinta atraído e se torne um lead, assinando sua newsletter, por exemplo, figura que está ao alcance da marca, fazendo com que ela estabeleça um relacionamento e comunicação efetiva com ele.

Como se vê, uma agência de conteúdo pode, sem dúvida alguma, garantir que a sua marca se torne bem mais atraente e, dessa maneira, consiga chamar a atenção de novos clientes, o que pode levá-la a aumentar as vendas.

Para ficar sintonizado (a) com outros conteúdos como este, não deixe de acompanhar as publicações em nosso blog!

Read More

Produção de conteúdo para estimular os colaboradores da sua empresa

O Endomarketing é uma importante ferramenta para organizações de todos os portes e setores. Por meio de suas técnicas, é possível informar, engajar e motivar os colaboradores, propiciando que todas as atividades da empresa sejam realizadas de forma mais eficiente.

Além disso, o Endomarketing também tem um importante papel na criação e difusão da cultura da empresa. Por meio das ações é possível manter os colaboradores alinhados à estratégia do negócio, fomentando inclusive um ambiente de melhor qualidade para o trabalho, o que impacta na produtividade.

E no contexto das ações, é possível desfrutar das mesmas estratégias utilizadas no marketing voltado para o consumidor final. E a produção de conteúdo é uma delas!

Veja neste post, tudo sobre a produção de conteúdo para estimular os colaboradores da sua empresa!

Como a produção de conteúdo pode estimular os colaboradores da sua empresa

Em primeiro lugar, a produção de conteúdo é excelente para melhorar a comunicação interna. Por meio do emprego de técnicas de redação, é possível informar todo o time sobre eventos, datas e acontecimentos importantes em um tom de voz que represente a identidade da empresa.

Desta forma, é mais fácil que os colaboradores se identifiquem com a organização. Isso os motiva a estar em sintonia com os principais acontecimentos do negócio. O emprego de técnicas e de um tom de voz adequado também é importante para estabelecer a cultura da empresa, integrando todas as equipes de forma harmônica e orientada aos mesmos resultados.

Além disso, a produção de conteúdo pode extrapolar os limites da comunicação interna, para fornecer informações de alto valor que estimulem os colaboradores. Um exemplo, é na criação de peças que informem sobre qualidade de vida no ambiente de trabalho, técnicas de gestão do tempo e das tarefas, atividades para redução dos problemas ocupacionais, conforme as atividades de cada setor etc.

Quais formatos utilizar na produção de conteúdo para os colaboradores da empresa

Aqui também vale, usar as mesmas técnicas do marketing digital. Pense fora da caixinha e além de textos e e-mail, lance mão de vídeos, imagens, infográficos e gifs. Até mesmo os podcasts podem ser uma valiosa ferramenta de produção de conteúdo estimulante para os colaboradores da sua empresa.

Crie conteúdos que realmente gerem interesse

Gerar interesse é o primeiro passo para uma comunicação efetiva. E envolver os próprios times do negócio na produção do conteúdo é uma excelente forma de chamar a atenção e obter resultados melhores.

Por exemplo, a equipe de vendas pode participar de vídeos direcionados para as equipes de marketing e de desenvolvimento de produtos. Por sua vez, o pessoal de compras pode se envolver na produção de conteúdo para as demais equipes, e assim por diante.

Esta estratégia contribui para a integração e o engajamento entre os diferentes times, evitando problemas de comunicação que interferem no trabalho. Além disso, tem um excelente potencial na seleção de conteúdos que sejam, de fato, relevantes para os colaboradores.

Assim, você conseguirá obter excelentes retornos ao investir na produção de conteúdo para estimular os colaboradores da sua empresa!

Read More

6 maneiras de reduzir o turnover em sua empresa

Há muitos índices com os quais uma empresa se preocupa, como quantidade de vendas, receita mensal, quantidade de clientes adquiridos, entre outros. Porém, existe um índice que ainda hoje é negligenciado pelas organizações: o turnover. O monitoramento dele é essencial para que uma empresa se destaque em um mercado competitivo.

Turnover representa a rotatividade de colaboradores, ou seja, o número de funcionários que deixou a organização dentro de um período e que precisou ser substituído. É preciso que não apenas o setor de RH, mas a empresa como um todo fique atenta a essa movimentação de pessoal, já que ela envolve novos gastos com mais processos seletivos e de treinamento.

Além da parte financeira, a rotatividade de colaboradores envolve a perda de experiência, de conexões internas, de clientes, e acaba sobrecarregando os funcionários permanentes com mais trabalho. Por esse motivo, uma empresa deve ficar atenta quando as taxas de turnover estiverem altas. O que pode demonstrar instabilidade nos negócios e prejudicar a imagem da marca.

Turnover apresenta 4 tipos:

  • Voluntário

Ocorre por parte do colaborador, que escolhe quebrar seu vínculo com a organização. Pode ser resultado de uma oferta de trabalho melhor em outra empresa, da falta de plano de carreira, de conflitos internos ou da dificuldade de se comunicar com os superiores.

  • Involuntário

A decisão do desligamento parte da empresa. Pode ocorrer em função da baixa produtividade do colaborador, de conflitos internos ou da dificuldade do empregado em se enquadrar à cultura organizacional da empresa.

  • Funcional

É quando um funcionário insatisfeito com o seu baixo desempenho dentro da empresa decide por conta própria se desligar da mesma.

  • Disfuncional

Quando um colaborador altamente capacitado decide interromper seu vínculo com a empresa, por achar que esta não tem condições financeiras e organizacionais para retê-lo.

6 maneiras de reduzir o turnover em sua empresa

Depois de conhecer os tipos de turnover nas empresas, assim como as causas e consequências de suas altas taxas, é preciso entender como reduzir esse índice. Confira algumas das principais estratégias para diminuir o turnover:

  • Teste de perfil comportamental

É uma importante ferramenta utilizada em processos seletivos para analisar o comportamento do candidato, e assim definir se ele pode ou não ocupar a vaga oferecida. A maneira como o questionário é respondido diz sobre o perfil do profissional.

Durante o teste são avaliados itens como: capacidade de liderança, reação diante da pressão, níveis de estresse e autoestima, desenvoltura, facilidade ou dificuldade para se comunicar, entre outros.

Um ponto importante avaliado no teste é o alinhamento da cultura do candidato com a cultura organizacional da empresa. Caso haja uma divergência entre crenças e valores, dificilmente o candidato conseguirá se enquadrar no ambiente de trabalho. É por meio da harmonia entre essas culturas que ambos, candidato e empresa, conseguem crescer.

  • Big Five

Outra forma de avaliar o comportamento de um candidato é por meio do Big Five (5 grandes fatores). Nos processos seletivos, pode ser usado como teste auxiliar para entender melhor a personalidade de cada candidato e assim aumentar a precisão das contratações.

O Big Five divide a personalidade em cinco dimensões: abertura ao novo, habilidade de interação com pessoas, instabilidade emocional, capacidade de autocontrole e demonstração de empatia.

A partir da análise desses 5 fatores, o Big Five proporciona uma melhor adequação à vaga e mais facilidade na hora de montar uma equipe, o que acarreta em um clima organizacional saudável e também diminui o absenteísmo.

  • Dinâmica de grupo

Uma prática comum em processos de seleção, principalmente os de trainee, as dinâmicas de grupo têm como objetivo avaliar a personalidade do candidato e como ele age diante da pressão. Para isso são realizados jogos e atividades, simulando a rotina do cargo pretendido.

Através das atividades em grupo é possível analisar como o candidato se comporta em equipe, afinal, para muitas empresas, saber trabalhar em grupo é uma qualidade fundamental. Caso o candidato seja tímido, extrovertido ou tenha espírito de liderança, isso ficará evidente pelas suas ações e falas durante a dinâmica.

  • Política de benefícios

Oferecer benefícios corporativos pode auxiliar a empresa a atrair os melhores profissionais, reter talentos e a manter sua equipe motivada. É importante que sua empresa realize pesquisas de mercado para saber o que a concorrência está oferecendo aos colaboradores.

Pelo menos uma vez ao ano é necessário fazer uma revisão dos benefícios e do que precisa ser alterado ou incrementado. Alguns dos benefícios são obrigatórios, como FGTS e férias remuneradas. Enquanto os benefícios não obrigatórios mais cobiçados pelos colaboradores são plano de assistência médica e participação nos lucros.

Algumas empresas têm ido além das compensações mais comuns e passaram a oferecer espaço de lazer, lanches gratuitos e até mesmo folgas no dia do aniversário.

  • Plano de carreira

A criação de planos de carreira mostra ao colaborador sua importância para a empresa e possibilidade de crescimento dentro desta. Essa segurança ajuda a reduzir a saída de bons profissionais, já que estes se sentirão mais valorizados.

Planos de carreira também ajudam funcionários a ter motivação, mais autoconhecimento e foco em seus objetivos dentro da empresa.

  • Jornada de trabalho flexível

Umas das causas do turnover é a exaustão do profissional. Uma forma de a empresa mostrar que está atenta à qualidade de vida do seu colaborador é estabelecer uma jornada justa de trabalho, que equilibre a produtividade do funcionário sem deixar de lado sua saúde física e emocional. Outra opção oferecida pelas organizações é a chance de trabalhar um dia da semana ou mais Home Office.

Read More